Sites Grátis no Comunidades.net

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese



ONLINE
1




 

Site Philosofia Grega: figura de uma coruja com chapéu de formatura

Site Um passo: Dê o primeiro passo acesse um passo: desenho de dois pés descalços andando para a frente




PSICÓLOGO GEOFILHO FERREIRA MORAES
ACP- ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA

Por psicólogo Geofilho Ferreira Moraes
CRP-12/10.011
Data 16 de setembro de 2011

Como eu compreendo a abordagem centrada na pessoa: apresentando os fundamentos básicos da psicoterapia desenvolvida por Carl Rogers


Nesta página apresento a fundamentação teórica que utilizo nos atendimentos psicológicos que realizo, seja presencial ou online, a ACP: Abordagem Centrada na Pessoa.
Utilizo essa abordagem como uma teoria que orienta as minhas intervenções como psicólogo, mas não lido com teorias como verdades absolutas, pois compreendo que teorias são formas sistematizadas que estudiosos criam para compreender e explicar um determinado fenômeno.
É importante lembrar que, toda teoria é questionável e passível de mudanças, a palavra chave para mim do conhecimento são as “mudanças”, a possibilidade de mudar é que possibilita a ampliação do conhecimento, a cristalização de teorias é que nos impede conhecer o fenômeno como este se apresenta, pois compreendo o mundo sob o ponto de vista fenomenológico.
Como disse anteriormente, não lido com teorias como “verdades absolutas”, escolhi para trabalhar com a abordagem desenvolvida por Carl Rogers por ter pensamentos semelhantes aos desse autor. Não adoto o adjetivo terapeuta rogeriano, pois parece que quem se denomina ou é denominado rogeriano, freudiano, etc., querem dar ou passam a impressão de que pensam exatamente como esses autores. Não penso exatamente como Carl Rogers, utilizo seus fundamentos para orientar meu aprendizado e me desenvolver como psicólogo de acordo com minha experiência de vida.
Nesta página irei disponibilizar artigos, capítulos de livros sobre a ACP, você pode acessar esses demais textos pelo menu principal da mesma.
Você profissional que tenha escrito textos sobre a ACP e queira publicar nesta página, é só entrar em contato comigo pelo e-mail: geo.psicologia@yahoo.com.br.
Sempre que escrever sobre a ACP falarei da mesma sem compará-la com outras abordagens, como já li alguns autores fazerem essa disputa entre psicanálise e ACP.
Para se falar de teoria A ou B, não é preciso menosprezar a forma como cada uma destas tem de compreender o fenômeno psicológico, penso que estas teorias buscam ajudar as pessoas a compreender seus sofrimentos. O importante para mim na psicologia é não se ter um conhecimento ou técnicas de intervenção que unifiquem o conhecimento, o tornando absoluto.

Sobre o psicólogo americano Carl Ransom Rogers, este profissional estudioso contribuiu com a consolidação dos princípios da Psicologia Humanista e fundou a ACP.
Nascido no dia 8 de janeiro de 1902 em Oak Park, Chicago nos Estados Unidos, Rogers pertencia a uma família cristã com princípios religiosos fundamentalista.
Rogers contrário aos conceitos do determinismo, fundamentou-se nos conceitos filosófico da teoria existencialista, acreditando na liberdade do ser humano e no seu potencial para escolher como mudar e atualizar o seu próprio futuro.
Rogers faleceu em 4 de fevereiro em La Jolla, na Califórnia (EVANS, 1979; HIPÓLITO, 1999). (abaixo foto de Carl Rogers)

Foto Carl Rogers: sorrindo de óculos de grau; pele branca e cabelos brancos ralos e curtos, de camisa azul clara

A intervenção psicoterapêutica realizada na perspectiva da ACP é fundamentada em três princípios básicos: a consideração positiva incondicional, a compreensão empática e a autenticidade ou congruência; além da tendência atualizante que é o pilar da teoria de Carl Rogers onde circulam esses demais conceitos.
Nos atendimentos com o cliente, o terapeuta utiliza em sua prática esses princípios como fundamento teórico que consistem em:
a) Aceitação: “É quando o terapeuta considera não somente o material positivo e negativo, o ativo e o passivo, trazido pelo cliente, mas também a configuração particular que esse material apresenta no momento da entrevista” (ROGERS, 1997, p. 137).
b) Empatia: “Significa penetrar no mundo perceptual do outro e sentir-se totalmente à vontade dentro dele. Requer sensibilidade constante para com as mudanças que se verificam nesta pessoa em relação aos significados que ela percebe, ao medo, à raiva, a ternura, à confusão ou ao que quer que ele/ela esteja vivenciando” (ROGERS, 1977, p.73).
c) Autenticidade ou congruência ou acordo interno, Rogers (1957) define como sendo: o acordo interno e integrado a experiência psíquica da pessoa, esta é indissociável de sua experiência organísmica; a congruência é a consciência que a pessoa tem em relação a sua própria vivência, de seu próprio vivido; a congruência é uma qualidade que só existe na relação intersubjetiva (apud GOBBI, MISSEL, 1998).
d) A tendência à atualização, se refere ao crescimento do organismo humano, falarei adiante mais detalhadamente dessa tendência.

A ACP é compreendida por Rogers como uma abordagem não-diretiva. De acordo com Rogers e Kinget (1977), o conceito de não diretividade está atrelado à ausência das diversas formas de direção no processo terapêutico, tais como perguntas, interpretações, conselhos, entre outros, os quais são geralmente reconhecidos como constituintes do papel legítimo do terapeuta.
Na relação com o cliente, o terapeuta deve oportunizar que o mesmo expresse livremente seus sentimentos e escolha como e quando expressá-los sem julgamentos ou preocupações do terapeuta em saber para onde estas reflexões estão se encaminhando.
Para Rogers e Kinget (1977), a não-direção demarcou o caráter particular da ACP durante um longo período de tempo, favorecendo com que muitos apresentem a psicoterapia desenvolvida por Rogers como estando ancorada na idéia de não-direção. Os autores pontuam que embora a abstenção, por parte do terapeuta, do uso de diretivas seja, sem dúvidas, uma das manifestações fundamentais deste tipo de psicoterapia, quando é realizada de forma pura e simples, nada produz de importante em qualquer campo humano.
Rogers (1992) aponta que o terapeuta que tenta utilizar a Abordagem Centrada na Pessoa como um “método” está fadado ao insucesso, a não ser que este método apresente uma concordância genuína com as atitudes pessoais do mesmo.
Tal concepção está sustentada na percepção de que “o importante nesta psicoterapia não é a ausência de diretivas, mas a presença, no terapeuta, de certas atitudes em face do cliente e de uma certa concepção das relações humanas” (ROGERS; KINGET, 1977, p.29).
Rogers afirma que a essência da Abordagem Centrada na Pessoa consiste mais em um modo de ser do que em um modo de agir, sendo que é necessário que o terapeuta expresse atitudes e convicções que façam parte de sua personalidade para que o mesmo possa desencadear no cliente processos de atualização de si e de crescimento pessoal.
Rogers (1997) aponta que para provocar significativos processos de transformação no outro é preciso se lançar na relação. Para o autor, a essência de algumas partes mais profundas da terapia parece ser uma unidade de vivência, onde o cliente e o terapeuta devem ser capazes de vivenciar com igual liberdade os sentimentos e compreensões oriundos destes, sem inibições, precauções intelectuais e barreiras emocionais e/ou cognitivas.

O diagnóstico não é fundamental para a atuação do terapeuta centrado na pessoa. Embora seja considerado, seus aspectos não são norteadores do processo psicoterapêutico, pois os elementos essenciais para o crescimento e desenvolvimento estão na relação entre cliente e terapeuta.
Rogers (1997, p.230) afirma que entra na relação com o cliente “não como um cientista, não como um médico que procura diligentemente o diagnóstico e a cura, mas como uma pessoa que se insere numa relação pessoal”.
Para promover o crescimento do cliente, ajudá-lo a ampliar sua congruência, de acordo com a teoria de Carl Rogers, o terapeuta deve estabelecer condições para o desenvolvimento de uma relação de mudança construtiva de personalidade.
É necessário que o terapeuta desenvolva postura de empatia, aceitação e autenticidade para que a pessoa consiga perceber sua dinâmica e que perceba esta dinâmica no mundo. É preciso facilitar a reflexão da pessoa para que ela compreenda sua responsabilidade nas suas ações, para que ela consiga se aceitar e aprenda a ser autêntica (ROGERS, 1977).
Nos atendimentos, o terapeuta deve manter uma postura incondicional, apresentando sentimentos de consideração incondicional para com a pessoa, valorizando as experiências do modo organísmico, permitindo e favorecendo a preservação e a valorização desta pessoa.
Quando a pessoa sente que está sendo compreendida pelo terapeuta, ela possivelmente compreenderá que está em condições necessárias para avaliar suas diversas experiências, refletindo sobre o valor destas para a preservação e a revalorização total de seu organismo (ROGERS, KINGET, 1977, p. 177-178 apud GOBBI, MISSEL, 1998).
Quando o terapeuta consegue facilitar o crescimento do cliente, a pessoa que está em terapia consegue construir uma simbolização, passando a considerar sua experiência, começando a perceber as necessidades internas do seu próprio organismo, favorecendo o seu crescimento, promovendo a tendência atualizante (GOBBI, MISSEL, 1998).

Sobre a tendência atualizante

 Rogers (1977) define a tendência à atualização como a capacidade inata de desenvolvimento do organismo humano, sendo universal e inerente a todos os organismos, esta tendência opera tanto na ordem ontogenética (desenvolvimento do indivíduo) como na ordem filogenética (desenvolvimento da espécie).
A hipótese da tendência a atualização da teoria de Rogers não tem de modo algum o seu ponto de partida no desenvolvimento físico do organismo humano, Rogers estabelece um paralelo entre esse desenvolvimento e o desenvolvimento da personalidade.
A tendência a atualização regula o exercício das funções físicas e das funções experienciais do organismo humano.
A tendência a atualização constantemente desenvolve no organismo humano as potencialidades da pessoa assegurando sua conservação e seu enriquecimento.
Para a tendência a atualização se desenvolver de modo saudável no indivíduo é preciso que haja possibilidades e limites no meio social em que a pessoa está inserida, que essas possibilidades e limites funcionem como facilitadoras no crescimento da mesma.
   Rogers concebe o organismo não apenas a partir da concepção tradicional médica que, exclusivamente esta considera o organismo o conjunto das funções e tecidos físicos. Para Rogers o organismo humano a qual ele se refere não se limita apenas “aos aspectos ditos “corporais”. A pesquisa, tanto médica quanto psicológica, revela cada vez mais a interpenetração e a inseparabilidade dos aspectos físicos e psíquicos do organismo” (ROGERS, 1977, p. 41).
Para Rogers:

“o comportamento se produz tanto em função da bioquímica do Indivíduo, como em função de sua experiência - No caso do ser humano, não somente o comportamento exterior, observável, mas também o pensamento, as atitudes e os sentimentos sofrem a influência dos fatores ditos corporais —- e isto numa medida provavelmente maior do que a que suspeitamos no estado atual dos conhecimentos neurológicos e endocrinológicos” (ROGERS, 1977, p. 41).

Rogers deixa claro em sua compreensão sobre o desenvolvimento humano, para ele o ser humano se desenvolve e é constituído a partir de fatores biopsicossociais, e que estes fatores tanto físicos/biológicos/psicológicos são inseparáveis.
O desenvolvimento morfológico e o funcionamento fisiológico do organismo (humano ou não) operam de acordo com as leis genéticas próprias de cada espécie, de fato não há fatores perturbadores graves, este desenvolvimento se orienta em direção ao crescimento do ser humano à espécie adulto.
Rogers compara o processo de organização da experiência humana na sua orientação ao processo de desenvolvimento físico, se a experiência pode se organizar na ausência de fatores perturbadores graves, esta organização da experiência incluindo sua expressão no comportamento se efetuará para o sentido da maturidade e do funcionamento adequado para o organismo, no sentido de um comportamento racional, social, de modo subjetivo, satisfatório e de modo objetivo e eficaz (ROGERS, 1977).

“O indivíduo, sua tendência ‘a atualização e sua noção do “eu” fazem parte de um mundo fenomenológico. Por isso, o que importa não é o caráter intrinsecamente positivo das condições, é a percepção destas condições pelo indivíduo” (ROGERS, 1977, p. 42).

Rogers concebe o “eu” como uma estrutura perceptual, “um conjunto organizado e mutável de percepções relativas ao próprio indivíduo” (ROGERS, 1977, p. 43).
Essas percepções são características psíquicas da pessoa, atributos, qualidades, capacidades e limites, valores e relações que a mesma “reconhece como descritivos de si mesma e que percebe como constituindo sua identidade” (ROGERS, 1977, p. 43). Esta estrutura perceptual engloba todas as experiências vividas pela pessoa em cada momento de sua existência.
A conjugação da tendência à atualização, que é o fator dinâmico e fornece energia ao organismo humano e a noção do eu, que é o fator regulador, que orienta a direção para este organismo, determina o comportamento humano (ROGERS, 1977).
Para Rogers (1977, p. 43):

“A tendência à atualização do eu age constantemente e busca, também constantemente, a conservação e o enriquecimento do eu. Isto significa que ela se opõe a tudo o que compromete o eu, seja no sentido da diminuição, da desvalorização ou da contradição. Contudo, o sucesso ou eficácia desta ação depende não da situação “real”, “objetiva”, mas da situação tal como o indivíduo a percebe. {...}. De tal modo que é a noção do eu que, em última análise, determina a eficácia ou a Ineficácia da tendência atualizante.” (ROGERS, 1977, p. 43).

   Rogers conclui que, a eficácia da tendência à atualização do eu depende do caráter realista da noção do eu que a pessoa possui, esta noção do indivíduo sobre o eu é realista quando há congruência entre os atributos que ela acredita possuir e os que de fato se possui.
Rogers conclui sua teoria sobre o desenvolvimento humano dizendo:

“Quando a tendência atualizante pode se exercer sob condições favoráveis, isto é, sem entraves psicológicos graves, o indivíduo se desenvolverá no sentido da maturidade. Sua percepção de si mesmo e de seu ambiente — e o comportamento que se articula de acordo com estas percepções — se modificarão constantemente num sentido de uma diferenciação e de uma autonomia crescentes, típicas do progresso em direção à idade adulta. A personalidade representará, portanto, a atualização máxima das potencialidades do “organismo”. Mais concretamente, a personalidade se desenvolve segundo um modelo que pode ser comparado ao desenvolvimento físico, e este é, também, determinado pela tendência atualizante, que se exerce num nível mais elementar, no qual ela rege a diferenciação das funções e órgãos característicos da maturidade física (ROGERS, 1977, p. 52).

A teoria de Rogers sobre o desenvolvimento do organismo humano reinsere o indivíduo no seu meio sócio-histórico- cultural; para esta teoria o ser humano é um ser indissociável de sua própria circunscrição (GOBBI, MISSEL, 1998).

REFERÊNCIAS

EVANS, Richard Isadore. Carl Rogers: o homem e suas idéias. São Paulo: Martins Fontes, 1979.
GOBBI, Sérgio Leonardo, MISSEL, Sinara Tozzi (Org.). Abordagem centrada na pessoa: vocabulário e noções básicas. Tubarão: Ed. UNISUL, 1998. 271 p.
HIPÓLITO, João. Biografia de Carl Rogers. Revista de Estudos Rogerianos: a pessoa como centro, v.1, n.3, mai. 1999. Disponível em: http://www.rogeriana.com/biografia.htm. Acesso em: 14 set. 2011.
ROGERS, C. Ranson. A tendência à atualização. In: _____. Psicoterapia e Relações Humanas. Interlivros, 1977. Vol 1. Cap. 2.
 ROGERS, Carl R. Uma maneira negligenciada de ser: a maneira empática. In: ROGERS, Carl R.; ROSENBERG, Rachel L. (Org.). A pessoa como centro. São Paulo, EPU, ed. da universidade de São Paulo, 1977.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

 

 
 
Criar um Site Grátis    |    Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net